Indolência Tropical

domingo, 16 de outubro de 2011

por Leandro Oliveira de Aguiar




O jeitinho brasileiro está presente a todo instante. A cada vagão do trem cheio a caminho da labuta e, sem duvida, inexoravelmente no meio das nossas tardes cinzentas de segunda feira onde mentalmente nos tele transportamos para o final de semana. E nesse virtual fim de semana, sem hesitação, será acompanhado de muito sol, água fresca e, de preferência, num cenário paradisíaco.

E quem nunca se percebeu no meio do trabalho ou colégio flertando com pretensa a paisagem paradisíaca logicamente não está de boa-fé. Pois bem, nós brasileiros temos uma verdadeira paixão nacional por fins de semana. “Foram nos sábados e domingos que aconteceram as principais coisas da minha vida. Conheci meus muitos amores, tive minhas farras e meus melhores momentos de felicidade.” conta o promoter João Vicentino.

Com a união desse amor incondicional fermentado com pitadas da nossa inconfundível indolência tropical surge um fenômeno muito comum em nosso cotidiano. A nossa velha mania na Terra do samba e do pandeiro de ir emendando o feriado até o domingo. Afinal aquele dia útil no meio dessa historia toda é apenas um indecoroso contra tempo feito para ser deixado de lado. ”Quando isso acontece já antecipo um bom papo no patrão para ver se posso prever alguma coisa. Acho que nessa historia toda só quem não vê com bons olhos isso tudo são nossos chefes.” brinca o vendedor de roupas Aurélio Castanheira sempre disposto a angariar uma folguinha a mais.

O empresário Adolfo Menezes, dono de bar no centro do Rio de Janeiro, naturalmente antagoniza com o vendedor e reclama sobre a tendência da população em se engajar em momentos bestiais. Para o mesmo, já passou da hora de se elaborar uma lei que “jogue” todos os feriados nacionais para o último dia útil da semana (sexta-feira), como forma de reduzir a cultura da “emenda” que, em geral, provoca prejuízo em cerca de 10 % ao seu negócio. ”No Brasil o povo só se junta para copa do mundo ou pra vê se descola uma folguinha a mais.” Destila o homem de negócios.

“Sempre que tenho a oportunidade me mando para região dos lagos.” diz com deleite o gerente de restaurante Frederico Silveira endossando o grupo pró feriadão e relatando  a tática  já enraizada em nosso povo no tradicionalíssimo costume de viajar para lugares próximos nesses  tempos de ócio para desafogar nossa rotina .”Acho que todo mundo tem ou pelo menos deveria ter um lugarzinho assim. Em que agente guarde com carinho no peito e se esqueça de todos os problemas!”

Porem em toda a regra existe exceções e nem tudo são flores nessa primavera. ”Vou trabalhar no feriado de 12 de outubro e ainda durante a semana. É um saco!” é o que relata o atendente de uma famosa rede de fast-food Joaquim Atanásio incluído no grupo das pessoas com a cara amarrada que não vão poder aproveitar o clima do feriadão.”Já coloquei no meu facebook. 2014 com a copa e 2016 a olimpíadas. Que tal emendar 2015 em um feriadão?” conta descontraindo.

3 Comentários:

Anônimo disse...

Muito bom, muleque!
Tenho que confessar que sou adepto dessa "Filosofia"! ^^


Ass.: Joaquim

Leandro Oliveira de Aguiar disse...

ahhaahhaah obrigado browww!

Gancho disse...

Adorei isso!!!

Postar um comentário

 
 
 
 
Direitos Reservados © Cultura NI