Revolução coletiva

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

por Josy Antunes

Boa parte das melhores instituições, que a gente vê atuando aí, passaram em algum momento pela formação da FASE”, declara o secretário adjunto de cultura de Nova Iguaçu Écio Salles. Pesquisador da UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro – e ex coordenador cultural do AfroReggae, Écio acompanhou de perto a ascensão do grupo que se iniciou em 1993, após a primeira publicação do “AfroReggae Notícias”, um jornal que contextualizava o processo da cultura negra na época, cuja distribuição era gratuita.

Atualmente, o AfroReggae possui cinco núcleos – sendo um deles no bairro Nova Era, em Nova Iguaçu –, mas principiou suas atividades em Vigário Geral. Num momento em que a comunidade se encontrava abalada pela chacina ocorrida na madrugada do dia 29 de agosto do mesmo ano, tirando a vida de 21 moradores, os realizadores do informativo traziam à favela oficinas, promovendo educação, arte e cultura. “A FASE foi determinante”, enfatiza Écio. De fato, o apoio recebido pela Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional(FASE), aliado à sabedoria dos organizadores do AfroReggae, fez com que a recém criada ONG, que ainda dava pequenos e marcantes passos, passasse a dar grandes saltos.



O suporte financeiro concedido garantiria a publicação de um certo número de edições do “AfroReggae Notícias”. Contrariando o provável, o grupo investiu todo o recurso numa festa: a Rasta Reggae Dance, que ficou bastante conhecida entre o circuito alternativo da época. A renda gerada pelo evento multiplicou o valor da verba inicial, aumentando consequentemente o número de edições do jornal.

O fato foi uma lição inclusive para a FASE, que em 2011 completará 50 anos de existência. “O AfroReggae, assim como a CUFA e o Observatório de Favelas, vêm de uma geração que tem uma ação direta dentro das comunidades, já visando modos inovadores de gestão e criação de ações, seja cultural ou social”, justifica o pesquisador. Na fala de Écio, fica claro o satisfatório alcance de um dos maiores objetivos da FASE: fortalecer a organização da sociedade civil, democratizando o acesso a recursos públicos, não necessariamente por meio da cultura. Para tanto, existem duas linhas de apoio à pequenos projetos: uma de atendimento à demanda, através do qual os projetos são recebidos e analisados; outra através de editais direcionados, para os quais acontece o processo chamado “nivelamento de informações para concorrer ao edital”. Esse segundo sim, exclusivamente voltado para grupos relacionados com cultura.

“A gente convoca esses jovens, explica o que é edital e nivela as informações, de forma que eles concorram ao edital com o mesmo nível de informação”, explica Cleia Silveira, coordenadora do SAAP, o Serviço de Análise e Assessoria a Projetos – programa que há 25 anos atua como um desmembramento da FASE. Em média, 400 projetos são recebidos por ano, dos quais cerca de 150 são apoiados. Em 2004, 600 projetos passaram pela análise. “A gente só consegue trabalhar com esse volume porquê nós contamos com o apoio da estrutura institucional como um todo”, conta a coordenadora, para quem o termo “inter-relação” é essencial. “Por exemplo, quando a gente está atuando em Pernambuco, nós estamos integrados com o Programa Regional de Pernambuco, que fica na cidade de Recife. Quando nós estamos atuando no Pará, nós estamos integrados com o Programa Regional da Amazônia, que fica na cidade de Belém”, exemplifica.

“Quase todos os grupos que eu investiguei tinham uma característica comum: eles não tinham recursos no começo”, cita Écio Salles, sobre o cenário na década de 90. “Começavam com uma ideia e muitas dificuldades. E, evidentemente, nunca tinham escrito um projeto, nunca tinham captado recursos, então era muito difícil. E a FASE entra nesse momento”.



Como um exemplo mais próximo, tanto pela contemporaneidade, quanto geograficamente, o Coletivo Anti Cinema mantém uma relação com a instituição desde 2006, quando foram contemplados, através de um edital, estruturando o grupo para a realização de oficinas e demais trabalhos, que pudessem promover a sustentabilidade do projeto. “A FASE nos ensinou muitas coisas e fez com que o Coletivo Anti Cinema pudesse articular parcerias, não só no estado do Rio de Janeiro, mas em localidades como Argentina, Chile, Paraguai, Ceará e Recife”, conta Marcio Graffiti, um dos coordenadores do Coletivo.

Cleia possui uma característica reconhecida unanimemente pelos realizadores com quem faz contato, que a faz criar vínculos comparados a de mãe e irmã. “Apesar de eu ser uma senhora de 55 anos”, principia ela, bem-humorada, “Trabalho há muitos anos com juventude e tenho uma facilidade muito grande de compreender e de me relacionar com a ela, sem tabus, sem preconceito”, alega. Entre a coordenação do SAAP e os grupos apoiados se estabelece uma relação que não é hierárquica, mas sim de complementariedade e diálogo.

Após o resultado de um edital, os projetos selecionados passam a ter um encontro mensal com Cleia e os demais membros do SAAP, durante um ano. Neles, todos os grupos apoiados são reunidos, com a intenção de se formarem inter-relações também entre eles, discutindo os aspectos de cada formação ali representada. “A Cleia sabe o que o jovem pensa e sabe como fazer com que ele seja estimulado a criar novos horizontes”, afirma Marcio, completando triunfalmente: “Pra mim, o Coletivo Anti Cinema é uma frente de batalha e a Cleia, de certa forma, foi e é uma liderança para nós. É impossível fazer revolução sozinho”.

Para Écio Salles, um outro ponto importante de ser ressaltado, em se tratando do bom diálogo que a FASE mantém por tantos anos, é o fato de que o trabalho realizado gera uma formação política de maneira aberta. “A FASE é notoriamente uma ONG de esquerda, mas o AfroReggae não é, muito pelo contrário, não tem a necessidade de se expressar num campo ou no outro”, compara, “É muito bacana que a FASE consiga dar informação às pessoas, mas que também dê o direito de optar, não faça doutrinação”, elogia cautelosamente.

A instituição é nacional, tendo escritórios – além do Rio de Janeiro –, em estados como Pernambuco, Bahia, Espirito Santo e Pará. Embora tenha tamanha experiência e conhecimento de casos desde a criação do SAAP, em 1985, Cleia faz um paralelo entre o trabalho da ONG e o atual momento da cidade de Nova Iguaçu, em relação aos editais articulados ao Bairro-Escola. “Do meu ponto de vista, Nova Iguaçu – como gestão pública – está fazendo o que a gente fazia antes – como gestão privada –, por entendermos exatamente assim: Para a democratização dos recursos públicos, não basta abrir um edital e publicizá-lo. Significa também ampliar o acesso à informação e à compreensão desse edital, porque senão, não há concorrência justa, não há democracia”, assegura a coordenadora.

                                                                                                     

Sites relacionados:
FASE: www.fase.org.br
AfroReggae: www.afroreggae.org.br
Coletivo Anti Cinema: coletivoanticinema.blogspot.com

1 Comentários:

Ecio disse...

O Blog Cultura NI sempre traz notícias de grande relevância pra quem está militando no front cultural. Matérias de qualidade, bem escritas e, o que é fundamental, produzidas por uma galera jovem e bem formada que está tomando de assalto a cena contemporânea. Parabéns!

Postar um comentário

 
 
 
 
Direitos Reservados © Cultura NI