Sem regras e exceções

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

por Juliana Schiffler e Mayara Freire


Amigos reunidos, bebendo cerveja numa mesa de bar, com o desejo de compartilhar suas ideias. Foi assim que surgiram grupos de poesias na Baixada Fluminense, como o Gambiarra Profana, de Belford Roxo, e Compulsores de Partida, de Duque de Caxias. Sérgio Salles Oigers, 33, criou a zine “Gambiarra Profana” em Belford Roxo, com o objetivo de produzir textos e expor o que era criado. Já Tubarão, Ricardo Villa Verde e Gordack mantêm o funcionamento do Compulsores com alguns encontros regados a cerveja gelada, churrasco e boa conversa, que lançam sempre no final de cada mês uma publicação de seus poemas, também com um zine. Com criações conjuntas ou individuais, essas reuniões de cada grupo têm um objetivo: produzir arte.



A primeira publicação da Gambiarra Profana ocorreu em 1999, ano do seu nascimento. A integração do grupo é feita por afinidade. Os participantes nem sempre se conhecem e em alguns casos os textos chegam através de um outro participante, ou por e-mail, carta, postagem na internet ou colhidas em eventos que o Gambiarra participa. “Na primeira edição da Gambiarra Profana ocorreu de existirem textos coletivos produzidos enquanto eu, Luciel DenMonors Lítan e Masal bebíamos. Ou produzidos durante o tempo em que eu, Agnaldo Estrela e Cristiano Lávisfer tínhamos uma banda”, conta Sérgio Oigers.

Mas não era um grupo que possuía local certo, reuniões programadas ou horários reunidos - daí a palavra gambiarra, bem do jeitinho brasileiro. O idealizador do grupo explica que “A Gambiarra Profana não é uma iniciativa Cultural Educacional, e sim Artística Cultural. Não tem objetivos específicos, e sim, conseqüências específicas. Sem regras e sem exceções. Apenas a necessidade de produzir nos conduz”, diz Salles. Em toda sua existência, o grupo nunca teve uma reunião de planejamento. Contudo, quando ela é convidada para participar de algum evento, se organiza para cada um dar sua contribuição.

Os participantes produzem de maneira autônoma sob o ponto vista de cada um. E não se trata apenas de criação de textos; música e vídeos também são produzidos para serem publicados na internet, pois a Gambiarra tem integrantes que não escrevem, mas que tocam algum instrumento ou então filmam. As pessoas interessadas pelo projeto oferecem-se para participar e contribuir de alguma forma.

A Gambiarra Profana participou de eventos como a primeira “Festa Fervo GLBT” da Baixada Fluminense, no Sítio Marisa Franco em Belford Roxo; do Cine Clube Buraco do Getúlio, no Centro Cultural Sylvio Monteiro, em Nova Iguaçu; e recentemente do “Diversidade Cultural”, no Centro Cultural Donana, em Belford Roxo. No total, o grupo já produziu seis zines, um livro, três músicas, dois videoclipes, dois documentários de participação em eventos e um DVD reunindo os quatro vídeos.

Para Sérgio Salles, a cultura da região não recebe o incentivo ou apoio do poder público. “A cultura é realizada por grupos de mobilização cultural. Aqui em Belford Roxo não é diferente. Estes grupos vão se arrastando entre a necessidade de comer e a necessidade de produzir. Posso citar, além da Gambiarra Profana, o Centro Cultural Donana, a Folha Cultural Pataxó e o Pó de Poesia como exemplo de mobilização cultural aqui em minha cidade. Uma coisa que cada um deles tem em comum é a necessidade de produzir e a falta de apoio do poder público”.

Poesia contemporânea


Mas mesmo sem esse apoio a Gambiarra Profana espera produzir cada vez mais e já possui a programação de publicações para este ano. “Serão três edições que contarão com o zine, um CD (com todos os textos publicados, sendo musicados, declamados ou dramatizados) e o DVD (com vídeos de todos os textos publicados e documentário com o registro da participação da Gambiarra Profana em eventos)”, conclui Sérgio.

Com um ano de existência, o grupo de poetas da cidade de Duque de Caxias formado por Ricardo Villa Verde, Gordack e Tubarão, sempre lança uma publicação de seus poemas no final de cada mês. O folheto possui um teor variado como contemporaneidade, marginalidade, como eles dizem. “A intenção dos Compulsores é mostrar ao público que existe poesia contemporânea acontecendo aqui na Baixada. Não fazemos uma linha "Drummond' ou "Vinicius", somos e mostramos uma poesia marginal, de ruas e bares e noites viradas. É poesia em vida e carne crua”, explica Gutemberg, mais conhecido como Tubarão. Fora isso, eles mantêm o blog (compulsoresdepartida.blogspot.com) onde poemas do grupo são expostos com o objetivo de facilitar o acesso das pessoas. Se apresentam também em eventos, sendo o último o Cabaret Beijoka, dos Los Tchachos, em Mesquita.

Com influências de Cazuza e Raul Seixas, do escritor e poeta ébrio Charles Bukowski, Willian Blake, Baudelaire, Edgard Allan Poe, Fernando Pessoa, Ana Cristina César, Pablo Neruda, Chacal, Sylvio Neto, Louis Alien, Cairo Trindade, Byra Dornelles e os poetas do grupo Ratos di Versos, eles produzem o zine como uma necessidade de poder levar às ruas seus poemas e como uma espécie de "cartão de visitas" do blog.

Entre tantos grupos de poesias do Rio de Janeiro, há ainda o POLEM (Poesia no Leme), Ratos di Versos, Elllas & os monstros, Pó de Poesia, Novos Uivos, entre outros. O integrante Tubarão do Compulsores de Partida acrescenta: “Tem tanta gente boa que muitas vezes as pessoas não dão o devido valor a um trabalho tão rico e esforçado. Há os que chamam esses poetas de malucos e outros nomes, porque não entendem que o que todos nós estamos fazendo se chama 'atualidade'”. E ele ainda completou: “Não estamos na mídia e por isso, alguns entendidos preferem gozar o trabalho dos poetas e artistas em geral. Mais triste é o riso do ignorante e, por isso, seguimos adiante cada vez mais fortes e decididos!”, concluiu.

Para saber mais o trabalho desses grupos acesse:

http://www.myspace.com/gambiarraprofana

http://compulsoresdepartida.blogspot.com/

17 Comentários:

Tubarão disse...

Super legal essa matéria! É muito importante que as pessoas tenham conhecimento dos grupos que fazem as coisas acontecerem por aqui.( Tubarão - Compulsores de Partida)

Anônimo disse...

Já li uns dois zines dos Compulsores, e é muito bom, três poetas com estilos diferentes, unidos numa só loucura, a coisa é pra viajar, Baixada Fluminense Rules.
André SK8!!!

Queiroz disse...

Eu gosto muito dos Compulsores de Partida. È um grupo que expõe a atual poesia das ruas, cada um deles é dotado de um estilo diferente, e em minha opinião isso é porreta de bom.

Anônimo disse...

Olá Mayara Freire, bacana a matéria sobre a Gambiarra Profana, a matéria ficou bem sintetizada e explica bem para aqueles que nunca ouviram falar. E para quem conhece um pouco tem a oporunidade de adquirir mais informações. Valeu e um grande abraço.

Marcio disse...

Me sinto imensamente feliz em ver o trabalho do meu querido e grande Sergio Salles Oigers ser conhecido e reconhecido por toda a baixada Fluminense, pois o Gambiarra Profana é um grupo que veio para ficar e sacudir com a mesmice cultural da região. Ainda não tive a honra de conhecer o Comnpulsórios, mas acredito que ele, o Gambiarra e o Pó de Poesia, do qual faço parte sejam grupos irmãos que podem e devem se darem as mãos para escrever de uma vez por todas o nome da Baixada Fluminense na história artística, cultural e literária do Brasil.

Muito boa e importante essa matéria com o meu amigo Sérgio Salles Oigers do Gambiarra Profana, eu Arnoldo Pimentel que faço parte do Po-de-poesia sinto-me muito honrado em conhecer o trabalho do Sérgio e do Gambiarra que estão juntos com outros grupos escrevendo a história da arte e da cultura na baixada fluminense.

Anônimo disse...

mó feliz de "rever" sérgio e seus "blue caps"!
turma camaradaça de b. roxo, parceira desde os tempos da banda O Cravo! Gambiarra Profana rules!

Anônimo disse...

caraca, que matéria foda! tou nem acreditando!
não conhecia o blog - e já me ganhou. é difícil cada vez mais achar resenha crítica de verdade nesse mar de boçalidades midiáticas pelaí.
viva o gambiarra! e viva os compulsores!
aliás, o tubarão é um dos grandes na cena da poesia do rio de janeiro hoje.

abraço a todos!
heraldo hb /.
www.relinkare.com.br/engenharia

Anônimo disse...

"O risco do ignorante é surpreender-se com a vitória do ignorado.shc".
Linda matéria, fico muito feliz com o sucesso de você, mesmo no anonimato fazem história.
Divulgarei este blog aqui em Manaus.
Parabéns.
SILVIAH

sonhos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lenne Butterfly disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lenne Butterfly disse...

É isso aí...
Valeu, excelente matéria. Divulgar que a cultura na Baixada Fluminense possui diversos artistas em diferentes linguagens é imprescindível. Pois a poesia sempre é deixada em segundo plano nos eventos realizados. Apenas um tapa buraco entre as programações. No entanto temos A Gambiarra Profana que dá uma vitrine em suas publicações, músicas e vídeos para que a poesia possa ser apreciada da maneira mais digna possível junto com o Pó de Poesia, a Folha Cultural Pataxó, o Centro Cultural Donana e com todos aqueles que anônimos ou não que contribuem de alguma forma para a cultura da nossa Baixada Fluminense.
Lenne Butterfly - Belford Roxo - RJ

crakem icaros disse...

Parabèns!!!!!!!!!sem rasgaçâo,espero que essa matèria chame a atençâo nâo do poder pùblico, mas sim dos artistas bem sucedidos, que ajudem o povo sofrido da Baixada a não perder a esperança e a cultura, ViVa a GAMBIARRA PROFANA!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Um alô pra turma da "gambiarra profana", em especial para o (irmão) Sergio, sempre firme em sua forma de ver e viver a vida,expressando suas convicções através da arte,da poesia.Estamos em BELFORD ROXO, somos BELFORD ROXO...desejamos que nossa cidade, um dia, seja reconhecida por seus valores artísticos-culturais também. Nossa Baixada Fluminense ( inclusive Duque de Caxias!!!) é um celeiro de artistas, valeu!!!!!!!!
ZezinhoFigueiredo-Belford Roxo-RJ

Anônimo disse...

Exelente matéria, parabéns para Mayara por essa iniciativa e pela sua determinação para conseguir essa matéria e a Gambiarra por tudo que nos forneceu nesses 10 anos... Abraços... Vinícius Siqueira

Anônimo disse...

Compulsores de Partida, podes crer, a partir dessa matéria conheci o blog dos Compulsores, em máteria de poesia é bem diferente, me fez pensar aonde alguns ditos "poetas" arranjam tantos elementos para cair no lugar comum, como morador de Caxias é um orgulho muito grande, valeu Juliana e Mayara, uma matéria que desbrava a cena cultural atual. Felicidades. André Paes

Anônimo disse...

Parabéns pela matéria, realmente muito legal mostrar o que rola no cenário cultural da Baixada Fluminense.. realmente muita coisa boa. Parabéns também à Gambiarra Profana pelos seus 10 Anos ... abs... Edivaldo Calabar

Postar um comentário

 
 
 
 
Direitos Reservados © Cultura NI