Marcas nordestinas

segunda-feira, 12 de abril de 2010

por Fernando Fonseca


07 de abril de 2010. Já era o oitavo encontro entre os alunos das Escolas Municipais Ana Maria Ramalho e Janice de Braga na Escola Livre de Cinema de Nova Iguaçu, ao qual eram introduzidas, simultaneamente, no mundo do cordel e na obra de Câmara Cascudo. Nela, os alunos de 09 a 12 anos de idade aprendem a musicalizar os poemas de Câmara Cascudo, aos olhos e cuidados de um dos maiores expoentes da
arte de cordel: Aderaldo Luciano dos Santos, paraibano radicado no Rio de Janeiro, pesquisador, professor, músico, poeta e mestre em Ciência da Literatura pela UFRJ.

“EU VOU CONTAR UMA HISTÓRIA
DE INIGUALÁVEL BELEZA
SOBRE UM VALENTE SOLDADO
MOVIDO PELA NOBREZA
QUE ENFRENTOU NESTE MUNDO
A TRAIÇÃO E A VILEZA.”



Eis que surge a primeira tarefa do dia para os pequenos desbravadores da literatura: musicalizar a primeira estrofe do poema de Câmara Cascudo. Aderaldo pede às crianças que sigam o ritmo dado por ele ao poema. A princípio, a poesia se fez distante, confusa, incerta. Como se todos os alunos ali presente nunca houvesse lido um poema. E se ler um poema causava tamanho desconforto e embaraço,
imagine então como não deveria ser uma leitura ritmada! “Ritmo e rima são características fundamentais do cordel. Sem elas, esta literatura não existiria!”, diz Aderaldo aos alunos, em tom encorajador, a fim de dispersar a vergonha e os receios que começavam a se apresentar nas frágeis feições de cada um.

E suas palavras pareceram mágicas. De um a um, os alunos ritmaram o poema, dando-lhe, por vezes, suas próprias entonações. Era a poesia adentrando no corpo e na alma das crianças, refletindo seu poder de transformação em cada sorriso, em cada olhar. Com toda a sensibilidade de um cineasta, os professores Bion e Carol registravam tudo através de uma câmera filmadora... A bela encantando as feras.

Rima e ritmo
Na segunda tarefa proposta por Aderaldo, as crianças deveriam escolher três palavras com terminações sonoras iguais, a fim de formar uma sextilha. Como a tarefa requeria tempo e calma, foi proposto que os alunos fizessem-na em casa e que a trouxessem na sexta-feira seguinte, em sua última aula com cordel. Em seguida, as
crianças ficaram sabendo qual seria a sua última tarefa do dia: escolher um dos diversos contos de cordel expostos sobre a mesa, apresentar o nome e o autor do livro para seus colegas e, por fim, ler a primeira estrofe do poema para toda a turma. Uma ótima tentativa de promoção entre os alunos da obra e do autor dos folhetos espalhados na mesa, bem como da capacidade de leitura dos alunos. Os resultados foram excelentes.

Aderaldo não poderá estar presente na próxima aula para avaliar os resultados obtidos pelas crianças com seus trabalhos, pois pasará o fim de semana na Bienal do Livro do Ceará, apresentando palestras sobre erros e equívocos sobre cordel e particpando, também, uma mesa redonda sobre cordel como gênero literário. Porém, Aderaldo deixa as instruções para os professores. “O objetivo desta tarefa não
é que os alunos escrevam uma sextilha perfeita. O importante é a rima
e o ritmo. Trabalhar a oralidade e como ela irá se apresentar”, explica. Para Aderaldo, o melhor resultado do projeto obtido até então foi a aproximação das crianças com a literatura. “Eles não tinham conhecimento sobre ela, pelo menos saíram daqui sabendo o que é alteridade. O grande objetivo é a transformação dos alunos em cidadãos conscientes.”

Singelo, Aderaldo conta, ainda, maiores detalhes de sua trajetória pelo mundo de cordel: “Meu nome foi dado em homenagem a um dos maiores repentistas do Brasil, o Cego Aderaldo. Minha família é toda de repentista. O cordel e o repente são duas grandes marcas da família nordestina, mas, infelizmente, eu tenho encontrado mais nordestino que não gosta de literatura e de cordel e repente”, lamenta. Aderaldo conta ainda que, no Brasil, nunca se produziu tanto cordel como nos dias de hoje. O que deixa claro que as hipóteses levantadas sobre o fato de a literatura de cordel estar morrendo sejam todas equivocadas.

Por fim, Aderaldo enfatiza: “Cordel não é um libreto apenas, mas toda uma forma poética. E essa nunca irá morrer. Hoje, o cordel está sendo descoberto pelas grandes editoras e pelas elites culturais. Até mangás estão sendo produzidos em cordel. A grande questão a ser levantada é o fato de que precisamos apresentar as crianças, à literatura de cordel, pois as escolas infelizmente não o fazem.”

39 Comentários:

Anônimo disse...

boa a matéria... amo literatura de Cordel!

Anônimo disse...

conheço o Aderaldo. ótima atuação!

Anônimo disse...

Pretty composition! I didn't know U were an excellent writer... livin' and learnin'!
Congratulations bud! XX

Lu

Larissa C. disse...

Fazer cordel é tão legal e, curiosamente, é muito mais fácil do que qualquer outro tipo de poema. Adorei a matéria, Nando!

Anônimo disse...

Adorei a matéria.
Consegue captar a essencia do cordel através de um dos seus muitos representantes.

Juliana M.

As crianças precisam de iniciativas como essa.
A Arte Brasileira precisa ser propagada.

Parabéns!!!

Anônimo disse...

Muito bom!! concordo com a Luciana!

Anônimo disse...

como eu faço pra criar um cordel?

Anônimo disse...

aqui tem explicando:

http://mundocordel.blogspot.com/2007/10/tcnica-de-fazer-cordel.html

qualquer dúvida, só perguntar para o Marcos Mairton. Aberto a comentários tbm... beijos!

Anônimo disse...

e eu que pensava que Cordel eram obras já prontas, escritas por algum escritor chamado Cordel!

hehe

Anônimo disse...

conheci um homem que tirava sua renda apenas com a verda de libretos de Cordel. Ele não era rico, mas sustentava toda a família só com o que produzia. ele era um Cordelista.

Anônimo disse...

Adorei o texto!
Amo Cordel...
Fê, se inscreve pra trabalhar no projeto aqui da facul, é sobre educação em rede.

Alê

Maria A. disse...

literatura de Cordel poderia se tornar um pontinho. vou falar para o JR procurar um representande para as próximas inscrições, ele poderia ensinar as crianças como se criar um Cordel.

Anônimo disse...

Já tive aula de Literatura Brasileira II com o Aderaldo. Excelente profissional!

Anônimo disse...

Como faço pra participar do culturaNI?

Cultura NI disse...

é preciso entrar para o jovem repórter.
reuniões as 14:00 no Espaço Cultural Sylvio Monteiro. procurar Júlio Ludemir e verificar se há vagas.

Cultura NI disse...

procurar Júlio Ludemir no Espaço Cultural Sylivio Monteiro e verificar se há vagas ainda.

Anônimo disse...

Caro Fernando, já ouviu falar do EducaRede?

Fernando Fonseca disse...

Sim, eu faço parte do Educarede já.

Anônimo disse...

Como eu faço para entrar em contato com o Aderaldo?

Fernando Fonsexa disse...

luizcangaceiro@gmail.com

Wanderson Duke disse...

Cordel e melodia. Prosa é poesia!

aline disse...

Matéria maravilhosa e muito interessante...Nada melhor do que incentivar as crianças a aprender sobre a Literatura de Cordel, que é maravilhosa.
Nando, você está de parabéns. já vivi o mesmo que você está vivendo agora. Ser jovem repórter é uma experiência maravilhosa. Aproveite o máximo e viva cada momento ai dentro, como se fosse o último. Até os estresses, as correrias, as risadas, as bagunças...Aproveite tudo...
boa sorte e tudo de bom.. você tem futuro!!! hehe

leandro comendador disse...

Exelente matéria, tinha mesmo que ser feita por este rapaz super talentoso que é Fernando Fonseca... Um abraço

migueL disse...

Bem legal a iniciativa!
Boa materia Fernando! :D

Anônimo disse...

Excelente matéria.
Já fui a uma palestra,que o assunto era "Rimas de Cordel".Fiquei encantada com a riqueza e ao mesmo tempo a simplicidade das rimas.
Recomendo que todas as escolas façam pesquisas sobre o assunto,pois ainda somos muito ignorantes no que se diz respeito a nossa cultura.

Anônimo disse...

convidaram o Aderaldo para o Iguacine?
ele estará presente?

Leca disse...

"Recomendo que todas as escolas façam pesquisas sobre o assunto,pois ainda somos muito ignorantes no que se diz respeito a nossa cultura". Concordo plenamente! Ensinar literatura às crianças é um gigante passo para o incentivo na nossa cultura.

Pedro Paulo disse...

os professores da Escola Livre de Cinema estão registrando tudo em imagem certo?
seria legal se os videos fossem colocados no ar!!
para podermos ver o resultado obtido pelos alunos...

Fernando Fonseca disse...

estamos com problemas de postar vídeos.

Carla Luíza disse...

Amo Cordel. gostaria de ter assistido uma aula. Sou professora de Literatura e todos os métodos de ensinosão sempre bem vindos. Parabéns!

Ariana disse...

Já estudei com o Aderaldo também, mas a minha matéria foi de Literatura Latina II. Realmente um excelente profissional. Boa escolha de matéria.

Tamyres disse...

Ótima matéria, Fernando! :D

Dari disse...

Parabéns pessoal, vcs continuam arrasando. Bela matéria Nando! Saudades!!

Anônimo disse...

Muito bom... parabéns, se superando a cada dia

Aderaldo Luciano disse...

Queria agradecer ao Nando por ter escrito essa matéria sobre nosso trabalho de divulgação e celebração do cordel. Não me manifestei antes pois estava em Fortaleza, Ceará, participando da Bienal fazendo palestras e promovendo lançamentos sobre cordel. Confiram o site www.bienaldolivro.ce.gov.br para saber o que o nordeste anda promovendo sobre livros e leituras. Obrigado a todos pelas palavras e quem quiser entrar em contato comigo é só escrever para luizcangaceiro@gmail.com . Obrigado!

Anônimo disse...

essa foi a matéria mais comentada né??!!
parabéns ao recordista... boa matéria msm.

Anônimo disse...

21990 \o/\o/\o/\o/

Anônimo disse...

22626 (em um dia...show) \o/\o/\o/

Postar um comentário

 
 
 
 
Direitos Reservados © Cultura NI