Na base da porrada

terça-feira, 29 de março de 2011

por Renato Acácio


Quem vê a jovem repórter Larissa Leotério, agora Preta Leotério, todo articulada, com opinião para tudo e por que não sexy e erótica, mal imagina os labirintos que formaram o caráter dessa pessoa-personagem tão exótica. Nascida no dia primeiro de outubro de 1991, ela foi uma criança agressiva: "Uma vez taquei uma carteira de colégio na minha amiguinha por ela ter me chamado de gorda". A performance referida aconteceu na segunda série.

Nossa heroína teve uma infância triste e solitária, fase que só chegou ao fim quando ela foi passar uns tempos no reformatório. Nas escolas em que frequentou, Larissa Leotério era a típica aluna excluída, algo como Cris Rocker, do seriado "Everybody Hates Cris", mas com traços de Caruso. Isto é, ao invés de apanhar, Preta batia nos coleguinhas para que andassem com ela nos tempos de colégio. "Comecei a ser aceita na base da porrada", conta ela com seu humor ambíguo, que sempre deixa em dúvida a veracidade dos acontecimentos.



A fase agressiva aos poucos foi desaparecendo quando as pessoas começaram a tratá-la melhor quando, como ela diz, formou sua "gangue". "Além disso, as atividades extracurriculares em que eu ia metendo, como dança por exemplo, me deram um certo respaldo", lembra ela, que ainda hoje lamenta o problema no joelho que a obrigou a pendurar a sapatilha.

A mudança de Larissa Leotério para Preta Leotério começou com sua entrada na escola técnica CEFET, onde, além de ter conhecido o movimento estudantil, descobriu sua religião e desenvolveu a sua fé, mesmo a contragosto da mãe. A adolescência foi realmente uma fase de descoberta para ela. "Ao conviver com pessoas diferentes, desenvolvi a minha tolerância, tomei um posicionamento político, desenvolvi uma visão crítica do mundo", enumera Preta.

Já a sua relação com as palavras escritas parece que nasceu com Preta Leotério, as faladas seria redundância afirmar. "Na quarta série, eu era aluna do Tio Carlos e fazia competição de redação. Desde criança gostei de português e redação. Lembro que levava textos difíceis e fazia competições com dicionários. Foi quando me descobri amante da leitura também". Entretanto, a estudante de jornalismo confessa que só teve o insight de que era com isso que gostaria de trabalhar também nos tempos de CEFET. Sua realização profisional, segundo ela, seria ou trabalhar escrevendo para o Jornal do Brasil ou na rádio Roquette Pinto.

Já seu lado sexual, que tanto constrange os mais pudicos e que tanto diverte os mais chegados à Preta, é parte de uma ideologia própria. "Acho que sou assim porque as pessoas em geral são hipócritas, todos trepam mas têm um pudor descabido ao discutir isso. Talvez essa coisa minha de não ter papas na língua seja mesmo para chocar, para que desse choque as pessoas considerem uma naturalização do natural".


Antes de ganhar o mundo com seu talento, Preta Leotério é conhecida por ser um dos membros mais clássicos da geração de Jovens Repórteres de Nova Iguaçu, projeto que dá vida a este blog sob a coordenação, orientação, análise, esporros, conselhos, amizade e comentários futebolísticos do escritor Julio Ludemir. Dentre outras coisas, o projeto aumentou sua autoestima como iguaçuana e projetou nela uma nova visão sobre a sua própria cidade. "Tive essa epifania quando descobri o samba do K-11 de domingo que atrai pessoas da nata do samba, que vêm de Madureira, da Pedra do Sal para minha cidade, fiquei emocionada porque o senso comum é imaginar que o iguaçuano sai daqui para ter um entretenimento com essa beleza", conta a artista enrustida Preta Leotério.

Agora é esperar para que ela saia do armário e tenha mais uma descoberta na vida nos palcos do mundo e começando mais um delicioso capítulo na vida de Preta Leotério, para alegria dos seus fãs e amigos.

6 Comentários:

Lucas Lima disse...

Personagem relevante não so desse projeto, mas dessa cidade. Brilhante história, que não se resume aos fatos do texto, mas enfim... quem conheçe sabe o quanto essa mulher é muito mais divertida, guerreira e apaixonante. Sua linda!

Preta... estou curioso pelo proximo capítulo! srsr
Você e demais.

Anônimo disse...

Quando vocês falaram do que realmente importa???

Yasmin Thayná disse...

Ficou sutil a matéria e eu vi a Pretinha Leotério. Que bom que você foi pro reformatório, quase um João de Santo Cristo!

Daniélis disse...

eu só tenho uma coisa a dizer: "preta, preta, pretinha" hahahaha

Jefferson Loyola disse...

Meu sexy Symbol. Adoro essa garota.

Postar um comentário

 
 
 
 
Direitos Reservados © Cultura NI