O novo universo do Nós da Baixada

quarta-feira, 13 de abril de 2011

por Marcelle Abreu



Quem disse que precisa ser profissional para escrever um belo texto, capaz de emocionar e prender a atenção de todos?

Não basta ser profissional se não há talento , como o grupo Nós da Baixada bem o prova com o espetáculo “A noite que ele não veio”, cujo roteiro foi escrito pelos próprios alunos com supervisão do diretor Anderson Dias e da codiretora Ana Paula Pinheiro.



Com uma duração média de 50 minutos, o espetáculo é resultado dos laboratórios coordenados por Anderson, que assumiu a direção do espaço no final do ano de 2009. "Os jovens se sentiram estimulados a escrever texto e música", conta o diretor.

O processo, que durou quase um ano, começou com pesquisas sobre a obra do dramaturgo paulista Gianfrancesco Guarnieri, particularmente a peça “Ponto de Partida”. E como a história se passa na época da ditadura militar, os meninos leram sobre o assunto e, em grupos de vinte, discutiam possibilidades para transpor tais informações para um espetáculo. "Essas ideias eram avaliadas por um grupo à parte", lembra Anderson.

Pelo menos duas razões motivaram a criação de “A noite que ele não veio”, francamente inspirada em "Ponto de partida". A primeira delas foi o fato de o grupo ter trabalhado com "Nordestes". "A gente queria trabalhar com um outro universo", conta o diretor. A escolha de uma aldeia de pescadores como cenário tem ligação direta com o fato. Porém o grupo teve dificuldade do patrocínio do grupo, que só teve apoio da Petrobrás depois de muita insistência dos meninos.

A redução do elenco, que começou os ensaios com vinte atores e terminou com apenas dez, é apenas um dos muitos sinais do quão foi difícil o processo de construção deste espetáculo. “Foi difícil. Não sabia se conseguiríamos terminar. Mas eu acredito no espaço e amo tudo isso. Me dediquei e não é que deu certo? E o melhor é ver quem não acreditou no trabalho do Anderson e na nossa capacidade para tal vendo o espetáculo e se arrependendo e elogiando”, conta Marcelle Moraes, que interpreta um pastor louco.

Marcelle Moraes e Leonardo Andrade
A interpretação de um personagem masculino e com problemas mentais terminou sendo um desafio secundário para Marelle Moraes, ainda que não tenha sido nada fácil. “Observei as pessoas na rua, pesquisei, foi um processo delicado", conta ela. Mas o personagem só ganhou forma quando ela vestiu o figurino. "Quando a gente se veste para encenar parece que não existe nada fora aquele momento”. Os figurinos foram produzidos por Aline Nogueira, amiga de faculdade de Anderson que se interessou pelo trabalho que estavam fazendo. Mas os jovens atores deram sua customizada.

Madson Vilela, que interpreta o pescador que ninguém sabe se foi assassinado ou se suicidou, acha que a criação das músicas foi a parte mais saborosa de todo o processo. Mas não foi nada fácil sair da nota musical si, como brincava a professora Valbiana Coutinho nos ensaios. Quem assina a coreografia é Alba Coutinho. “Eu amo a parte de dançar e cantar", conta o ator, apesar das dificuldades de acertar o tom das musicas escritas por eles, mas uma que tiveram facilidade e mais gostam é Beijo roubado, de Dorival Caymmi.

A compreensão do enredo é facilitada pelo uso de mídias de suporte, cujas projeções explicita a relação entre o passado e o presente. “Muita gente acha interessante teatro mais projeção. É algo diferente. Isso desperta curiosidade e leva as pessoas a assistirem à peça. E fica bonito de se ver”, opina Marcelle.

Mardon Vilela e Carla Nunes
O espetáculo faz muitas perguntas: será que Raul se matou? Será que foi assassinado? Mas quem faria tal injustiça sendo ele tão amado na aldeia? Será que foi por amor ou dor? É uma historia de dor, amor e muito mistério. Só assistindo pra saber o que aconteceu de verdade. O espetáculo está em cartaz no Espaço Sylvio Monteiro nos dias 13 e 14 de abril, às 20h. Não perca a oportunidade de vivenciar essa história.

Elenco:

Marcelle Moraes, como pastor

Carla Nunes, como Amariles

Conceição Silva, como Amariles mais velha

Jefferson Pereira, como Homero

Leonardo Andrade, como Forasteiro

Jessica Meireles, como Dália

Thiago Zandonai, como Ainon

Jessica Lima, como Irmã de Ainon

Madson Vilela, como Raul

Rômulo, como menino.




5 Comentários:

Anônimo disse...

como faço para fazer parte do nós da baixada ? Onde fica ? Quanto custa ? Tem telefone ?

jefferson disse...

Teve um belo repertório musical. Sempre a esperar por um amor a beira mar, como na noite em que ele não veio, pois ali, não tinha alma. Um corpo vazio e um amor eterno. Que o mar o traga de volta, mas se não trazer, que me leve.
Adorei. Os parabéns para os integrantes e para toda a produção da peça!

Jefferson Loyola

Madson Vilela. disse...

Olá,
Primeiramente agradeço aos comentários!Espero sinceramente que tenhas gostado de nosso trabalho!
Ao Anonimo do primeiro comentário deixo aqui as informações solicitados:
O espaço fica localizado na cerâmica,e os cursos são inteiramente grátis,você só precisa nos visitar e fazer sua inscrição.Deixarei aqui o Contato:(21)(21) 3874-9411

Madson Vilela. disse...

A Matéria está ótimaa!
Parabéns Marcelle Abreu,você é 10!

Leonardo Andrade disse...

Parabéns a todos que contribuiriam para esse trabalho.

Próximas Apresentações:
Próximas apresentações:

28 de maio Espaço Cultural Sylvio Monteiro às 19h
17 de junho SESC - Nova Iguaçu às 20h
15 de julho SESI Jacarepaguá às 21h
26 de julho SESI centro-Graça aranha 19h

Postar um comentário

 
 
 
 
Direitos Reservados © Cultura NI