Uma câmera na mão e um sonho na cabeça

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

por Fernanda Bastos / Foto: Edson Borges

Estagiários do Centro de Interação Social Amigos de Nova Era (CISANE), os jovens Luciana Oliveira, 18 anos, e Rogério Ignácio, 22 anos, marcaram presença no festival de teatro Baixada Encena para trabalhar. Na noite do último dia 16, eles estavam captando imagens em foto e vídeo do monólogo “Um homem com a flor na boca”, durante o qual trabalharam com profissionalismo e desenvoltura.

A vida da fotógrafa Luciana Oliveira tem sido uma roda-viva entre as aulas do pré-vestibular, do último ano do ensino médio, do projeto Ler pra Valer e das atividades do CISANE, ela está agarrando com unhas e dentes a oportunidade dada por Edilso Maceió, o diretor executivo da ong. Um exemplo disso foi a festa do dia das crianças, na qual teve que se desdobrar para fazer a cobertura fotográfica e contar histórias para as crianças. “Quero meu lugar na equipe de audiovisual que está sendo montada em Nova Era”, conta ela.

Já são visíveis os sinais de que seu esforço está valendo a pena. Um deles é que tem sido requisitada para cobrir os eventos antes mesmo que saiba da existência deles. “Estou começando agora, mas tenho certeza de que vai dar certo”, aposta. Ela atribui parte do seu sucesso ao espírito da equipe. “A colaboração da equipe foi fundamental”, afirma.

Outros lugares
Já o câmera Rógério Ignácio é um veterano do CISANE, onde trabalha desde a conclusão do curso de audiovisual básico, há cerca de dois anos. Por orientação de Edilso, ele fez um curso técnico de audiovisual e representa a entidade em diversos eventos. Multifacetado como sua colega de trabalho, o jovem ainda atuou como fotógrafo, DJ e grafiteiro, além de participar de palestras. Sua relação com a equipe é bastante próxima.

O câmera não mede sacrifício para participar dos eventos – chegando mesmo a tirar dinheiro do bolso para fazer a cobertura com a amplitude necessária. “Conheci o Lino (Rocca) em Vassouras”, exemplifica ele, que, quando voltou para a Baixada da viagem em questão, foi ressarcido pela ong. Rogério Ignácio não sabe parar onde está indo, mas acredita poder ir longe com a turma do CISANE. “Agora que estou começando a sair outros lugares”, contabiliza. “No grupo de audiovisual muitas oportunidades estão surgindo e sei que ainda tenho muito a aprender”.

1 Comentários:

é isso ai moça tenho certeza ki vai alcançar os seus objetivos estarei sempre ao seu lado...

Postar um comentário

 
 
 
 
Direitos Reservados © Cultura NI